A História dos cegos e o Elefante

Postado em Postado em reflexões

“Tão-somente vivamos de acordo com o que já alcançamos.” Filipenses 3:16

elefanteHá uma parábola (dita indiana) muito difundida em publicações variadas em diversos sites na Internet. Ela descreve um recorrente fenômeno de interpretação apresentada em diversas versões.
Basicamente se reporta a seis cegos que, nunca tendo conhecido um elefante, aproximaram-se dele para conhecê-lo. Cada qual o interpretou e descreveu a seu modo.

Ao tatear o denso e grande corpo do bicho, um dos cegos afirmou tratar-se de um animal parecido com uma muralha. Outro, considerando as presas de marfim, disse que era uma poderosa máquina de guerra com enormes lanças. Ao segurar a tromba, o terceiro afirmou ser um animal semelhante a uma cobra. É uma árvore! exclamou outro cego ao tocar uma das pernas roliças do animal. Atingido pelo fino rabo, o quinto cego considerou que ele era um portador de cordas. O último afirmou tratar-se de um equipamento de refrigeração com enormes leques ao perceber as grandes orelhas do elefante.

Moral da história: Todos estavam parcialmente corretos e, ao mesmo tempo, completamente errados. Aparentemente esta mensagem é simples, mas sugere reflexões epistemológicas de maior relevo.

As analogias empregadas por cada um dos cegos mostram-se coerentes do ponto de vista do senso comum. Para muitos não é difícil aceitar a afirmação que o corpo do elefante se assemelha a uma muralha, as presas a lanças, a tromba a uma cobra e assim por diante. Neste sentido, consideradas isoladamente, cada afirmação pode ser aceita como “correta”.
Mas atenção: para descrever as partes do elefante, cada cego recorre a uma analogia específica. As partes não são descritas a partir de qualidades próprias, mas a partir de qualidades “emprestadas”.Elef2

Ao afirmar que as presas do elefante se assemelham a lanças, a tendência imediatamente é transportar os demais atributos da lança para as presas. Na sequência, a partir de um processo de generalização, as qualidades das presas (lanças) levam a outra transposição: reconhecer o elefante como uma “máquina de guerra”.

Analiticamente este é o raciocínio do primeiro cego. As analogias, assim como as metáforas, são mecanismos muito importantes para o desenvolvimento do raciocínio e da linguagem. Contudo, precisamos estar atentos ao seu emprego para não incorrermos em erros grosseiros nas nossas conclusões.

Em outra perspectiva, a afirmação que todos os cegos estão completamente errados emerge da constatação de que a descrição das partes não corresponde necessariamente ao todo. Constatações parciais ou superficiais, quando generalizadas, normalmente levam a equívocos. É claro que seria muita pretensão afirmar que é possível descrever objetos ou fenômenos em sua integralidade. Toda interpretação é formulada a partir de pressupostos (premissas) e toda a conclusão é inexoravelmente parcial em decorrência destes pressupostos. Não se pode dizer qualquer coisa sobre algo, assim como também não é possível dizer tudo sobre qualquer coisa.
Qual a revelação que você já alcançou? Vemos que ela é progressiva e detalhista! E quanto mais abrimos o ângulo para ver algo, mais nitidez de um todo acabamos tendo!

Talvez tenhamos algumas interpretações em nosso caminho, que por fim a análise final é grosseiramente distante da realidade!
Vamos deixar de ver as coisas isoladas e abrir os nossos sentidos amplamente para coisas amplas.

“Todos nós que alcançamos a maturidade devemos ver as coisas dessa forma, e se em algum aspecto vocês pensam de modo diferente, isso também Deus lhes esclarecerá.” Filipenses 3:15

Beijos em seu coração!
Pr. João Wojcicki

facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedinmail

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *